sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Pregação dos Loucos Completa 5 Anos!

Árvore que não produz nada vira lenha, só serve pra queimar e virar cinza na fogueira
Purifica o clima, gera bons frutos
Eu vou fazer tudo que a palavra me diz pois machado nenhum vai cortar a minha raiz

Há 5 anos atrás este blog ia ao ar, na época, chamava-se Papo Reto. Eu sempre gostei muito de ler e consequentemente adquiri facilidade em escrever, desde os tempos de criança. Lembro da vezes que me pediam para fazer as legendas dos trabalhos de escola ou inventar uns versos do tal "correio do amor", nas festas juninas. O tempo passou, Deus me chamou para o seu Reino e desde então eu me fascinei pelos ditos Heróis da Fé e sua história. Todos eles tinham em comum o hábito de leitura intensa. Seus textos falam até hoje e são atualíssimos; é simplesmente impressionante como sua influência pode se perpetuar por gerações através dos registros escritos.

A partir daí, eu tive idéia de fazer o blog. No princípio, uma necessidade de desabafo, mas, posteriormente, com a intenção de despertar e, como diria um pastor amigo meu: marcar minha geração. Saber que através da internet, um irmão pode ser edificado, reanimado, consolado, incentivado a continuar a sua carreira na fé por uma palavra colocada aqui é simplesmente recompensador. Uma maneira de agradecer a Deus e glorificar o Seu nome cumprindo a missão de pregar nas Samarias e até os confins. No começo, era engraçado; creio que todo blogueiro já passou por isso: entra no meu blog aí, vai! No fundo, no fundo, eu escrevia pra mim.

Passei a orar e pedir que Deus tomasse minhas mãos quando elas estivessem no teclado. Dado momento, recebi uma profecia e cri no que ouvi: te usarei através da máquina a que o homem chama de computador. Gradativamente... as postagens foram mudando e fui encontrando os caminhos para a otimização do blog. Passei a receber alguns e-mails de agradecimento por certas palavras e quando esbarro com um leitor via MSN, noto que a profecia tem-se cumprido. Não escrevo para ser o dono da razão. Eu discordo de muitos, assim como muitos discordam de mim. Meu intento é edificar! É fazer refletir! É a defesa do Evangelho! Conhecer a Verdade é pesquisá-la e buscar compreendê-la de maneira que a libertação se torna uma consequência disso.

Acredito que não exista maior manifestação do poder de Deus do que através da correta interpretação das Sagradas Escrituras. Por isso, quero agradecer aqui aos loucos que se interessam por ela. Àqueles que tem ajudado a divulgar o blog como o irmão Walysson e todos os jovens da IEQ de Betim, ao Léo de MG... a cada um que é leitor assíduo, outros esporádicos... enfim... a todos os irmãos e irmãs de:

Bangkok (Tailândia), Sumoto, Okazaki (Japão), Moscou (Rússia), Oslo (Noruega), Glasgow (Reino Unido), Castelo Branco, Faro, Trofa, Lisboa, Guimarães, Ponta Delgada (Portugal), Nova Iorque, Weirton, Clinton Township, Saint Louis, Cabot, Mountain View (EUA), Maputo (Moçambique), Itaperuna, Nova Iguaçu, Nova Friburgo, Nilópolis, São Gabriel, Bocaiúva, Itabuna, Uberlândia, Contagem, Florianópolis, Lages, Cascavel, Caçapava, Jaraguá do Sul, Macatuba, Foz do Iguaçu, Campo Grande, Uberlândia, Batatais, Lins, Rondonópolis, Cuiabá, Votorantin, Ribeirão Preto, Presidente Prudente, Valinhos, Votuporanga, Porto Velho, Manaus, Itaituba, Trindade, Teixeira, Camocim de São Félix, Piritiba, Salvador, Vitória da Conquista, Fortaleza, Macaé, Araguaína, Anápolis, Palmas, Belém, São Luís, Sobral, Lages, Pinhalzinho, Santos,  Lapão, Ubá, Brasília, Montes Claros, Dias D' ávila, Maceió, Natal, Brusque, Vitória, Vila Velha, Boa Esperança, Canoas, Limeira, Bento Gonçalves, Teresópolis, Goiânia, Recife, Xique-xique, Mauriti, São Paulo, São Roque, Ananindeua, Cotia... BRASIL!

Desejo a cada um de vocês, de cada lugar, cada cidade, cada denominação um 2011 de intensas experiências com Deus. Muito obrigado!
Permaneçamos firmes!


Jesus é o jardineiro e as árvores somos nós
Somos, Somos nós
Somos, Somos, Somos nós 
--
Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Lembrou de alguém ao ler o artigo? Compartilhe com ele. Clique no botão abaixo:

Bookmark and Share


terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Soberania Divina e sua Inexplicável Impopularidade



E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade. Ef 1.5

Anos atrás de maneira auto-didática eu passei a estudar sobre a Graça Irresistível e aí me deparei com o assunto "soberania divina". Foi incrível entender que Deus escolheu seus filhos simplesmente porque Ele decidiu escolher, uma vontade sentida e consentida, uma dádiva! Lamentavelmente, fora a questão de eleição, a soberania divina é inexplicavelmente pouco comentada e ensinada. Não constitui temas de debates, livros ou dvds. Basta procurar numa livraria evangélica que se chegará a esta infeliz conclusão.

Logicamente, existem as exceções. Professores dedicados a esquadrinhar a personalidade de Deus e repassar aos seus alunos o temor do Senhor, princípio de toda a sabedoria. Ainda assim, mesmo aqueles que detêm o conhecimento, talvez, ante o desinteresse do cristão moderno, sintam-se tolhidos a explorar um tema complexo como esse. Seja lá como for, a verdade é que isto reflete a impopularidade desse tema provocada pelo nanismo espiritual. Não querer uma compreensão mais profunda de Deus significa se importar excessivamente e apenas com o que Ele faz e menos com o que Ele é.

É por isso que, nestes últimos dias, preocupemo-nos em costurar o furo do nosso saquitel. Afinal, pregar sobre a soberania de Deus, talvez, não traga as pessoas a Cristo, porém, seja determinante para mantê-las em Cristo. Quando há fé na soberania, sabe-se que tudo o que Ele faz é bom e não há cobranças por respostas. Deus não precisa explicar cada coisa que acontece em nossas vidas. Se não pedimos isso quando tudo dá certo, por que Ele haveria de nos conceder em meio às nossas frustrações?

Sua Graça nos basta.

Amém?

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Lembrou de alguém ao ler o artigo? Compartilhe com ele. Clique no botão abaixo:

Bookmark and Share

Soberania Divina e sua Importância Vital


Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Rm 11.33

Paulo é taxativo quanto àquilo que se passa na mente de Deus. Inescrutável, que não se pode pesquisar, investigar; impenetrável. Insondável, inexplicável, incompreensível. Então, aqui, a soberania de Deus se acentua, mostra-se na sua forma mais concreta e até acalentadora, pois, quem a desconhece entrará pelo caminho que o apóstolo sinaliza como uma espécie de "rua sem saída". Por isso, ela é de uma importância vital, já que diante de alguns episódios da vida somos levados a perguntar: por quê?

Manhã do dia 23 de dezembro de 2010. Aparentemente, mais um dia como outro qualquer, até a notícia na rádio: mulher morre num acidente de trânsito, na noite anterior, no centro do Rio de Janeiro. Eu a conhecia. Era minha melhor amiga. Estudamos o ginasial juntos. Quando ouvi o seu nome minha alma se rasgou em dores. Ainda pensei que pudesse ser coincidência, mas, depois de um telefonema, a confirmação: minha irmazinha estava morta. Difícil de acreditar! Não era esse o combinado.

O combinado era envelhecermos todos juntos e nos reunirmos de vez em quando para lembrar as "tretas" da escola. Meu Deus! Era como se uma faca partisse minha alma. Não me parecia nada justo, não mesmo. Lembrei, então, da soberania de Deus. Explicações para o que aconteceu não aliviariam em nada a minha dor. Decidi buscar as consolações ao invés das explicações, estas não trariam minha amiga de volta. Resignado, minha alma parecia se contorcer por dentro. Gemidos de horror surgiam em meio às lembranças das brincadeiras, nos tempos de sala de aula...

Eu nunca senti nada parecido. Abracei a dor sabendo que o consentimento de Deus me faria vencê-la. É razoável um enlutado questionar a Deus, "fica de mal" com Deus. É como se ele tivesse uma "licença" para isso, afinal todos somos de carne e osso; fracos! Por isso digo a você que num momento desses as melhores palavras a serem ditas é o seu silêncio. Você estar ali já é muito significativo, mas, não precisa tentar explicar o que não tem explicação. É insondável, lembra-se? Sua presença e o seu silêncio bastam.

Se eu fosse insistir em saber o porquê do acontecido, certamente, deveria perguntar também por que Deus permitiu nossa amizade e tantos momentos bons. Por que os tempos de escola foram quase que "mágicos", era como se vivêssemos num seriado de tv, tudo tão divertido e tão perfeito! Aí, o entendimento sobre a soberania de Deus pacifica a minha alma, anestesia a minha dor e me faz agradecer por tudo o que Ele tem feito e por tudo o que vai fazer. Por isso, andamos pela fé, em entrega total, certos de que lá na frente, o filme de nossas vidas sempre terá um final feliz.

Sempre.

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Lembrou de alguém ao ler o artigo? Compartilhe com ele. Clique no botão abaixo:

Bookmark and Share

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Uma Possível Pedra de Tropeço Chamada Excelência

 
Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais achais o vosso próprio contentamento, e requereis todo o vosso trabalho. Isaía 58.3

A natureza humana leva sempre em direção ao descanso e conforto. Se há sol, procura-se uma sombra. Se há cansaço, procura-se um lugar para sentar. É por isto que em qualquer área da vida o comum é procurar sempre o melhor, aquilo que dê mais prazer, maior satisfação física e/ou emocional. Daí, a igreja moderna descobrir um termo que por vezes pode ser uma pedra de tropeço: excelência!
O povo de Israel em dado momento de sua história cumpria seus deveres religiosos com excelência. Havia distinção, havia correção aparente nos mínimos detalhes, só não havia presença de Deus no seu meio. A coisa não fluía, expectativas frustradas até o dia em que houve a iniciativa de se saber o por que daquilo e, então, a resposta: jejuais para o vosso próprio contentamento. Aos olhos humanos, tudo estava ok, mas, Deus sabia que a motivação de tudo aquilo era distorcida. Quem dera que não fosse mais assim...

A melhor cantata de Natal. O melhor congresso. O melhor hotel para o pregador convidado, a melhor recepção, o melhor lanche, a maior "oferta de amor". O melhor equipamento, o maior evento, a maior quantidade de pessoas que "aceitaram" Jesus. A aparente excelência. Será que temos feito tudo isso para o nosso próprio contentamento? Será que os cultos lotados não nos servem para deleite próprio numa espécie de masturbação espiritual? Que Deus não se canse de nós e vá embora!

Isto porque a diferença entre Israel e o evangelicalismo moderno está na postura. Como já escrevi noutro artigo, é possível estar sinceramente errado. Israel jejuava de modo equivocado, mas, fazia aquilo de coração. Seu mérito foi ter ao menos procurado saber onde estava o seu pecado. Seus questionamentos a Deus pelos "direitos de justiça" (v.2) o fizeram ouvir uma dura resposta, mas juntamente com ela a cura e a restauração. Enquanto isso, talvez, parte majoritária do movimento protestante perceba que mesmo com toda a sua excelência, muitas vezes, Deus não a leva em conta. Os resultados são passageiros e a semente insistentemente cai entre pedregais e não cria raízes.

A culpa está no solo? O semeador nunca erra? É assim mesmo? Menos trabalhoso é ficar no campo das suposições do que buscar de Deus a resposta sobre o que realmente está acontecendo. Onde está a brecha, onde está a nossa capa de Acã. Somente assim haveremos de ser árvore de bons frutos e frutos que permaneçam. A excelência não deve ser evitada, porém, também não deve ser  buscada a qualquer custo. Sejamos simples e cristocêntricos. Basta. Ou corremos o risco de nos embriagarmos com o vinho produzido pelas concupicências carnais travestidas de espiritualidade.

Permaneçamos firmes!

--

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Lembrou de alguém ao ler o artigo? Compartilhe com ele. Clique no botão abaixo:

Bookmark and Share

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Um Vírus Letal Chamado "Achismo"


Então disse Saul a Samuel: Antes dei ouvidos à voz do SENHOR, e caminhei no caminho pelo qual o SENHOR me enviou; e trouxe a Agague, rei de Amaleque, e os amalequitas destruí totalmente; 1Sm15.20

Saul havia sido ungido pelo próprio Deus e tinha suas experiências e sucessos para contar. É curioso que tamanha autoridade e imponência não o livra daquela que é uma das piores armadilhas contra um servo de Deus: o achismo.

Mesmo repreendido por Samuel, Saul faz ponderações sobre sua correção e de maneira covarde, isenta a si mesmo de qualquer tipo de equívoco dizendo "Mas o povo tomou do despojo ovelhas e vacas" (vs. 21). Ele empurra a responsabilidade para os seus liderados sem notar que ele próprio havia cometido um pecado terrível - ter poupado Agague, rei de Amaleque, quando o Senhor orientou "destrói totalmente a tudo o que tiver, e não lhe perdoes" (vs. 3).

Há uma frieza espiritual sorrateira entrando pelas frestas de nossas portas. Internet, tv, amigos a todo instante pregam seu relativismo sobre tudo. Uma conversa sorrateira num tom de voz amigável sussurra palavras doces ao nosso ego; combustível da carne que confunde os ouvidos. Saul tinha tanto potencial, potencial para muito mais daquilo que tinha conquistado até então. A Bíblia não diz ao certo como aconteceu nem quando; apenas, registra que ele contraiu um vírus de auto poder destrutivo: o "achismo".

Numa mistura de auto-defesa e total incompreensão das coisas do espírito ele afirma com veemência a Samuel, "antes dei ouvido à voz do Senhor". Noutras versões, a ênfase, "pelo contrário". O rei de Israel esquecera como é se arrepender. Pede a Samuel que o acompanhe; sabe como é, pegaria muito mal para ele sendo rei... enfim. Saul fez segundo queria fazer e tinha certeza absoluta que aquilo "era de Deus". Tudo não passava de  "achismo". A sepultura se abriu...

Isto é uma lição das mais doídas e um alerta para os dias maus em que vivemos. Pensamos que estamos bem, somos espirituais fazendo tudo certinho como manda o figurino, entretanto, é a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada quem dá o diagnóstico preciso de quem somos. Ela nos ensina a sempre buscar um lugar de arrependimento e aproveitar as misericórdias do Senhor, que duram para sempre. Oremos por nós mesmos, então. Que nunca nos esqueçamos de nos afligir e chorar nossas misérias. Que nunca esqueçamos o caminho do arrependimento. Oremos pelos "sauls" de nossos dias, clamando a Deus o Seu perdão e a Sua misericórdia por eles para que se reencontrem no Caminho. 

Enquanto isso, sepulturas estão abertas.

Não sejamos nós a cair dentro delas!
Amém. 
--
Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Lembrou de alguém ao ler o artigo? Compartilhe com ele. Clique no botão abaixo:

Bookmark and Share

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

O lado positivo dos cuidados deste mundo

Mas os cuidados deste mundo, e os enganos das riquezas e as ambições de outras coisas, entrando, sufocam a palavra, e fica infrutífera. Marcos 4.19

Jesus aponta de maneira clara três fatores que atrapalham o crescimento espiritual do homem e, mais do que nunca, esta palavra nos é atualíssima. Interessante que isso se refere ao fato de a semente ter caído entre espinhos, ou seja, não ter caído na melhor parte do solo. Logo, não podemos afirmar que a dita boa terra não tem espinhos, mas sim , neste caso, que a semente caiu na melhor parte do "terreno".

Semelhantemente, todos possuem suas dificuldades, seus afazeres, seus "cuidados deste mundo". Vestibular, fazer compra de mês no supermercado, pagar contas, levar o carro na oficina, fazer a monografia, ir ao dentista, passear, visitar familiares, hora-extra no trabalho, cuidar dos filhos, renovar a matrícula na escola, ir ao cartório, prestar um favor a alguém, enfrentar negociações, demitir alguém, procurar um emprego, mudar de emprego, curso de Inglês, ler um livro, limpar a casa, passar roupa, cuidar do cachorro... enfim... Todos possuem um sem-número de cuidados cotidianos que, às vezes, podem levar alguém a pensar que a adoração e o serviço no Reino de Deus seria tão melhor se não houvesse tudo isso. O que fazer, então? Não se envolver?

Só sabe quanto dói uma dor quem já sentiu. Logo, toda essa roda-viva diária que o cristão moderno está submetido tem o seu lado positivo, principalmente, se um dia for-lhe dada incumbência de cuidar de vidas. Como poderia entender o cansaço físico de uma ovelha aquele que nunca trabalhou nem mesmo utilizou transporte público no horário de rush? A frequência irregular nos cultos poderia ser entendida de outra forma se um dia quem lhe cobra tivesse enfretado a maratona de um concurso público ou soubesse o que é ser mãe solteira.

Esta incompreensão cria um muro entre líderes e liderados. Estes não foram tirados do mundo para olhar os outros de baixo para cima. São vidas, escolhidas por Deus com todas as suas imperfeições e qualidades; sim, vidas! E como tal procuram seus semelhantes a quem podem compartilhar suas angústias e temores. Daí o lado positivo dos cuidados do mundo: eles nos deixam em pé de igualdade uns com os outros. Eles nos deixam na exata medida daquilo que essencialmente somos: seres humanos.

--
Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Lembrou de alguém ao ler o artigo? Compartilhe com ele. Clique no botão abaixo:

Bookmark and Share

Direitos Autorais Preservados