quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Saiba Por Que Você Não Deve Falar Mal de Pastor Ω IURD Ω Menção Honrosa

história de superação do câncer
Patrícia e André Jr depois de 4 sessões de quimioterapia na gravidez

Na página Câncer de Mama na Gravidez (Clique Aqui) eu descrevi em nove capítulos a história de superação de minha esposa. Pelo título você imagina como foi difícil e numa situação como essa, dois comportamentos são possíveis: passividade ou pró-atividade. Não que um seja superior ao outro, é apenas uma questão de fé que alguns têm para comer carne e outros para comer legumes. Justamente, nessa perspectiva, eu me senti na obrigação de fazer uma menção honrosa à Igreja Universal do Reino de Deus.

Para você que não conhece a história da Patrícia, ela teve um câncer de mama diagnosticado no mesmo dia do resultado positivo de uma gravidez (quatro meses após ter retirado um câncer do pulmão). Bom, mediante a isso, na mesma época (2015), acontecia a tal "campanha da água", da qual ela resolveu participar e conseguiu ir alguns domingos. No último deles, o pastor lhe disse: "Essa água vai lhe curar do câncer!", meu pai da glória! Ninguém sabia que ela fazia quimioterapia, nem que estava doente, pois usava peruca e passava desapercebida. Isso foi forte! E um ano e meio depois, ela teve alta para a glória de Deus!

Sabe, a vida... ela tem um jeitinho de nos ensinar as coisas nada agradável muitas vezes. Eu aprendi que quem ganha a vida falando dos outros é comentarista esportivo, na moral. Isso porque é muito perigoso generalizar, ou muito confortável. Fácil dizer que as pessoas que vão a igrejas como a IURD só querem cura e prosperidade quando você está saudável e com plano de saúde em dia. Quando se está com as contas pagas e empregado. Quando os filhos estão bem e o casamento também.


Sinais e Doutrina: incompatíveis?


É claro que lá não é o melhor lugar para se aprofundar nas Escrituras, não obstante é de se pensar que louvor há nisso para os cansados e sobrecarregados. Ponha-se por instantes no lugar da minha esposa: grávida e com câncer. Pense se o que ela precisava era ir ao culto, ouvir sobre a Reforma Protestante  e voltar para casa. Não existe cabeça para teoria, mas sim apenas o clamor de uma "Ana"; suas lágrimas, sua oração. Assim acontece com muitas  pessoas que frequentam a IURD e outras igrejas da mesma visão.

Semanas atrás ouvi uma pessoa na rádio pedindo oração para liberação da aposentadoria. Qualquer um pode pensar que é motivo fútil, ora, Jesus não morreu numa cruz para tão pouco. Só que se você estiver numa situação de necessidade aguda, provavelmente mudará de opinião. Patrícia, certa vez, diante da resistência de funcionários em liberar o auxílio-doença devido a um erro no sistema, tirou a peruca e gritou: Eu Tenho Câncer!!!! Somente assim o gerente se compadeceu por ela estar grávida... aí, eu pergunto: você já passou por isso? Você já dependeu dos outros sentirem pena de você? A sensação é de que o fundo do poço tem subsolo, tamanha a humilhação.

Por isso, resolvi deixar aqui esse registro, ainda que seja uma contradição até mesmo por causa de muita coisa escrita nesse blog. É, mas eu mudei. Mudei de opinião, não porque li um livro ou porque vi um vídeo na internet. Mudei dentro da trincheira no campo de batalha. Foi ali que eu mudei.

E se você vai continuar criticando a metodologia da igreja,  falando mal de pastor, faça diferente quando chegar a sua vez. Se não acredita em nada do que escrevi aqui e que Deus não usa quem Ele quer usar, tudo bem. Ao estar nos dias maus preditos pelo Pregador em Eclesiastes, faça diferente, afinal, uns têm fé para comer carne e outros fé para comer legumes.

Permaneçamos firmes!

#9 "Eu Nunca Duvidei" I 5 Dicas Como Lidar Com Câncer Na Família

Patrícia e André Jr - MAR/2016
Eu descobri e aceitei rapidamente o fato de que nossas vidas haviam mudado para sempre. Isso me deu proatividade para conhecer esse novo mundo formado pelo câncer. 

Curioso que sou, comecei a ler e pesquisar no Google Acadêmico tudo relacionado à alimentação. Eu sempre digo aos mais íntimos que me fascina as civilizações inca, maia e azteca terem vivido séculos em áreas inóspitas sem nenhum tipo de droga criada pela indústria farmacêutica.

Eu não sou médico e nem nutricionista, portanto consulte sempre um deles ou os dois antes de fazer uso de qualquer tipo de suplemento alimentar. Agora, deixe-me ser mais direto e compartilhar como lidei com dois cânceres de minha esposa em tão curto espaço de tempo.

Dicas De Como Lidar Com Câncer Na Família


1. Alimentação. É tudo para mim. Aquilo que a nutricionista do plano recomendou a ela não me convenceu de que fosse o melhor programa alimentar para uma grávida submetida à quimioterapia. Pesquise. Leia. Informe-se. Não se faz necessário cursar medicina para cortar açúcar refinado, por exemplo.

2. Emocional. Patrícia estar grávida ajudou bastante a não ficar pensando na doença. Outras pequenas coisas acabariam por contribuir, como por exemplo, assistir ao Chaves. É, ao Chaves. Cara, ela consegue rir ainda assistindo ao Chaves... Eu sou muito brincalhão e lembro de quando pus a peruca dela dentro de casa e fiz um desfile... rs... enfim, cara, procure uma maneira de aumentar a serotonina!

3. Cuide-se! Sabe que, às vezes, o acompanhante fica mais acabado que o paciente? Eu defini que se alguém nessa Terra não poderia adoecer, esse alguém era eu. Logo, continuei com minha rotina de alimentação saudável e academia. Não me preocupei no que poderiam pensar. A mulher grávida, fazendo quimioterapia e ele na academia? Quer saber, mano? Melhor coisa que fiz.

Servia como alento para meu corpo e minha mente. Oxigenar o cérebro é importante e num período de tensão máxima, mostrou-se importante e eficaz. Era minha diversão e meu escape. Conhecemos uma paciente com um caso semelhante ao da Patrícia, mas, infelizmente, seu tratamento atrasou em pelo menos seis meses. Soubemos que o marido dela teve uma estafa.

Cara, a pressão é inimaginável. Pensamentos de viuvez vinham frequentemente. As explosões emocionais comuns a toda grávida. Depois do nascimento do André Júnior, um fluxo de pessoas dentro de casa incomum para quem sempre foi um apreciador dos momentos de silêncio. Haja suplementação, mano!

E Deus! Ele não me permitiu adoecer, claro, pois sem Ele não adiantaria fazer a minha parte. Você, evangélico, talvez, pense que foi o momento em que eu mais orei. Digo: foi não! Se você conhece a passagem onde Elias comeu pão porque a caminhada seria de 40 dias, vai entender. Era como se tudo que eu tinha lido, feito e aprendido com Deus fosse posto em prática e provado. Tinha chegado a minha vez. Tempo de queimar calorias!

Não orei intensamente por falta de fé não. Acho que foi por provar minha própria formação cristã, meu próprio eu e também por cansaço. Muito cansaço. Mentalmente falando... quase toda semana, uma resposta a ser dada. Acompanhá-la num novo exame, pedir folga no trabalho, levar o André Jr à creche, pagar à anestesista, comprar o pão que a mãe dela come... meu Pai da glória!

4. Basta a cada dia o seu mal. O câncer ratificou as palavras de Jesus de Nazaré! Um exame por vez, uma cirurgia por vez, um problema por vez. Sem sofrer antecipadamente. Sem criar respostas para demandas que só existem dentro de nossas cabeças. É preciso ter fé. Desta maneira, também se lida com um diagnóstico de Síndrome de Li-Fraumeni. Basta a cada dia o seu mal.

Patrícia e André Jr. - OUT/ 2017
5. . Não há muito o que dizer, porque ou você tem ou você não tem. Se não tiver e quiser ter, peça a Deus, pois, assim pediram os apóstolos a Jesus: ajuda-nos a ter fé. Eu e Patrícia nunca reclamamos nem questionamos porque foram nesses dias que mais pregamos. Não com palavras, mas através da serenidade em nossos rostos: a paz que Cristo dá excede todo o entendimento. A perplexidade de muitos diante de nossa reação a tudo, dava-nos certeza da verdade que são as palavras de Jesus: estarei com vocês todos os dias, até a consumação dos séculos. Tivemos paz de espírito nos piores dias de nossas vidas.


*Patrícia já teve alta e continua com o tratamento através de medicações e exames periódicos. 

- Ela teve a menopausa antecipada aos 40 anos de idade. Faz parte do protocolo.

- Da quimioterapia, restou a perda de parte da audição esquerda e uma memória fraca.

- Das cirurgias, o esvaziamento da axila direita a deixou com limitações no braço (ela ainda passará por mais uma por causa da prótese).


*André Júnior é uma criança saudável com desenvolvimento cognitivo adequado para a idade dele. Está cada dia mais bagunceiro :P

Acompanhe toda a história: CLIQUE AQUI

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

#8 "Eu Nunca Duvidei" I A Síndrome de Li-Fraumeni

Como escrevi inicialmente, já no câncer de pulmão, Patrícia entrava no grupo de estudos de caso, porque seu estilo de vida não combinava com a especificidade da patologia. Meses depois, surgiu um câncer de mama, juntamente com a gravidez. Não foi uma metástase, não! Não tinha nada a ver com o do pulmão.

O pai dela morrera de câncer, um tio... bem, ela foi encaminhada a uma geneticista para o mapeamento genético. A resposta veio semanas depois: Síndrome de Li Fraumeni.

uma doença hereditária rara, autossómica dominante, que se caracteriza pela ocorrência de vários tumores na mesma pessoa.[1] É nomeada em honra de Frederick Pei Li e Joseph F. Fraumeni Junior, médicos americanos que primeiro reconheceram e descreveram-na [...]. A síndrome está ligada a mutações do gene supressor tumoral p53, que normalmente ajuda no controle do ciclo celular". Fonte: Wikipédia.

Ah, tá! Então quer dizer que a qualquer momento pode surgir outro? Sim! E humanamente falando não tem cura? Sim! Ah... tá... sendo hereditária, quer dizer que André Júnior também poderia ter? Sim. Hum... O exame dele, então, já tinha sido previsto para depois dos 9 meses de idade.

Tudo bem, eu pensei. Só que sentado, sozinho, numa biblioteca, quando imaginei vivenciar tudo novamente com ele, aí eu chorei. Véio, não sei como não adoeci (até sei, depois eu conto. Deus em primeiro lugar!). Foram vários picos de cortisol nessa caminhada e aquele foi mais um. Meu Deus!!!! Era o meu bebê!

Nesse momento, você sendo crente vai se lembrar do famoso "Eu não aceito, meu Deus!" pregado na igreja Universal. Também sempre achei um absurdo... mas, mas com meu filho? Depois de ele ter vencido quatro sessões de quimio na barriga da mãe?

Vamos mudar de assunto... e não tocamos mais nisso até levá-lo à clínica. O resultado poderia ser acessado por email e foi um momento inesquecível. Abrimos o arquivo e descemos a barra de rolagem até ler o resultado: não encontrado!!! André Júnior não tem a síndrome de Li-Fraumeni. Mais um livramento e até aqui nos ajudou o Senhor.

Você deve se perguntar como se vive com um diagnóstico desses. Eu vou lhe responder na próxima postagem.

Continua...

Acompanhe toda a história: CLIQUE AQUI

Receba Nossas Atualizações Por Email!