sexta-feira, 17 de junho de 2011

A dúvida é do diabo. Será mesmo?

 
Tudo começou lá no Éden quando a serpente pôs uma dúvida no coração de Eva. Seja lá o que fosse usado pela alimária seria atribuído para sempre a uma obra satânica. Desta maneira, a dúvida é caracterizada como algo que não provém de Deus, algo a ser condenado e evitável. Será mesmo? Porque pensar dá muito trabalho e quem não tem por hábito meditar nas Sagradas Escrituras dificilmente terá o que perguntar. Não estariam, então, parte da liderança evangélica promovendo o emburrecimento?

Isto acontece até sem querer por parte dos pais na crítica "idade dos porquês". É quando a criança quer saber o porquê disso e daquilo e na falta de respostas a mãe acaba reprimindo o pensamento crítico do seu herdeiro. A falta de resposta, a exposição de sua ignorância demonstra também sua fragilidade. Ao invés de estudar junto com o filho para achar a resposta, ensina até testemunho falso, fazendo dele mais um que terá vergonha de perguntar na sala de aula.

Assim a dúvida prossegue no limbo. E pensar que tantos não foram os que se converteram por uma inquietude de alma ao questionar onde poderiam encontrar a verdade. Dos questionamentos se construíram os alicerces da teologia cristã e por meio deles se desfazem as certezas impostas pelas religiões. Ao que parece, a igreja já soube usar a dúvida a seu favor e não fica claro quando esta se tornou sua pior inimiga e sinônimo de rebeldia. A igreja moderna tem verdadeiro pânico dela!

Apesar disso, se pensar dá trabalho, ainda existem milhares de trabalhadores por aí. Ainda que não haja incentivo à reflexão, ela acontece no íntimo dos que têm sede e fome de justiça e, certamente, que para cada Saulo Deus proverá um Gamaliel. Logo, a falta de conhecimento é destrutiva, mas, a falta de confiança em se perguntar e a inexistência de alguém para se perguntar também o são. Assim, a partir do momento em que nos envolvemos devemos aprender a lidar com os questionamentos.

E se você está em dúvida, não case, não compre, não vá, não saia, não fale. Na dúvida, não faça. Reflita, medite na Palavra do Senhor e ore [muito]. É verdade, a interrogação pode ser uma dardo paralisante da parte de satanás. Por vezes, porém, é um grito da razão. Uma manifestação da prudência. Uma ponte para o livramento.

Permaneçamos firmes!

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui, pois, ele é muito importante.
Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe. Clique nos botões abaixo e divulgue o Pregação dos Loucos:

Bookmark and Share


2 comentários:

  1. Olá gostei do blog conteudo muito bom que Deus continue abençoando. ja estou seguindo. fique na paz do Senhor Jesus.
    www.blogandodemadrugada.blogspot.com

    ResponderExcluir

Link Within

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Direitos Autorais Preservados