segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Ateus Messiânicos - Saiba Como Lidar Com Esse Vale De Ossos Secos



É Possível Um Crente Ser Incrédulo?


vale dos ossos secos feito de ateus messiânicos


A sensação de Ezequiel na passagem do vale de ossos secos (capítulo 37) foi de, no mínimo, hesitação para não falar em descrença. Suas palavras foram sábias quando perguntado se aqueles ossos poderiam ressuscitar. Para os cristãos de hoje essa é mais uma passagem dentre outras que nos fazem crer no poder da ressurreição dos mortos. Agora, o que dizer sobre ressuscitar vivos? Sim, vivos ou ao menos como também está escrito pessoas que “tem o nome de que vivem, mas estão mortas”. Sobre isso, o que se pode fazer?

É espantosa a experiência de se deparar com crentes que estão cheios de pragmatismo. Cheios dos seus “achismos” e raciocínios lógicos. Chega a ser triste, porque um morto pode ressuscitar especialmente - eu acho -  porque ele não tem como opinar, sabe? Ele não tem como resistir ao poder de Deus. Já alguém que está pleno de suas faculdades mentais, como poderá reviver se insiste em resistir? Resistência essa até involuntária, porque eles apenas replicam sua cultura. São produto do meio.

Por isso falam do que nunca viveram. Deturpam o mover do Espírito e procuram se ater apenas às meninices que existem por aí. Elas não experimentaram nem deixam os outros experimentarem. Falam apenas do que o seu coração está cheio, pois, normalmente, suas frases começam com “Sabe o que eu acho? Eu acho que a maioria das pessoas… blábláblá”. E dá-lhe a menosprezar o dom de línguas - quase que numa cisma - sendo que ela mesma não sabe o que é. Esse é o vale de ossos secos feito de gente viva. Esses são os “ateus messiânicos” (crentes que só creem que Jesus é o Messias e nada mais). 


E Como Lidar Com Essa Raça?



Isso é um quadro inusitado e eu chego a duvidar de que pode haver mudança, já que o tal pós-modernismo está manifestado nesse tipo de crente  insosso que povoa milhares de templos. Sei que o título da mensagem é sobre saber lidar com essa espécie, mas, eu confesso, que não sei ao certo, não tenho uma resposta concreta. Gosto de considerar apenas a inversão da ordem de certos pensamentos. Por exemplo, é comum você imaginar que Deus usará a sua vida para fazer algo em determinada igreja. Pode ser que sim, mas pode ser que Deus vá usar a igreja para fazer algo em você.

Quem sabe um outro nível de paciência e bondade? Porque vou te falar uma coisa, não é fácil lidar com incredulidade de um crente! É muito pior do que lidar com um não-convertido, sem dúvidas. Vale relembrar, então, que o amor tudo suporta e que devemos ter paz com todos, se possível. Conforme já escrevi no post Porque Não Sou Um Desigrejado (clique no link) congregar é importante para sermos provados e aprovados, lapidados e moldados segundo o coração de Deus. Se Ele se irritasse com a mesma facilidade nossa, estaríamos em maus lençóis, sem dúvidas.

Apesar disso, um amigo que está passando por esse momento na sua vida congregacional já desistiu. Confessou-me que vai sair de onde está depois de tentativas frustradas de ressuscitar o seu vale de ossos secos feito de gente viva. Seu vigor se derreteu diante da frieza espiritual dos “ateus messiânicos”. Quem sou eu para julgá-lo? Se há uma sensação de “já deu”, logo, não há mais o que fazer, realmente, a não ser desfazer a tenda e partir para novos rumos.

Diante do apresentado, você há de concordar que apesar do quadro comum a qualquer denominação cada situação tem as suas peculiaridades. Portanto, não abra mão dos dons espirituais para discernir os espíritos e os tempos. Pense no proveito que você pode tirar dessa situação e tome o exemplo das muralhas de Jericó que não caíram na primeira, segunda ou terceira volta. Foi necessário aliar à estratégia a paciência e a fé. Você tem como avaliar cada tentativa sua de mudar o panorama e perceber suas deficiências e progressos.

Mas, o que é certo mesmo é a incerteza. Sinceramente, minhas expectativas são bastante baixas porque eu creio nos números desfavoráveis (apenas um leproso dos dez voltou para agradecer, apenas 25% das sementes brotaram etc). Eu me pego pensando, será que um dia a gente vai reviver aquilo - paixão, fogo e glória? Será mesmo que ainda tem um vinho novo para o nosso tempo? Eu faço um esforço pra acreditar, porém são muitos os dias que “Eu me sinto, às vezes, meio inseguro, que nem um vira-lata sem fé no futuro” (Mano Brown).

Permaneçamos Firmes!

2 comentários:

  1. Esse post me ajudou bastante. Dissipou as negras nuvens que pairavam sobre a minha alma. Agora é agir de forma que elas não mais voltem. Agradeço a Deus pela sua permanência no caminho e oro para você continue sendo essa máquina de formatação mental.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, meu aliado! Deus seja louvado! Que nossa oração seja como os versos cantados pelo Rodolfo Abrantes: "Eu quero o amor dos primeiros dias, eu quero o temor dos últimas dias!

      Amém!

      Excluir

Receba Nossas Atualizações Por Email!