sábado, 30 de março de 2013

quinta-feira, 28 de março de 2013

sexta-feira, 22 de março de 2013

Testemunho Do Blog Pregação Dos Loucos






Por que o blog Pregação dos Loucos é do jeito que é?


Qual o motivo e objetivo?

Quem pode / deve ouví-lo?

Caso você não esteja visualizando o player, CLIQUE AQUI para ouvir.
......

Você já curtiu nossa Fan Page? Curta Agora ::::: Clique Aqui







Fan Page Pregação Dos Loucos. Curta e Compartilhe!





Você já curtiu a nossa Fan Page Pregação dos Loucos? 

  Clique Aqui







Caso não esteja visualizando o player, CLIQUE AQUI para ouvir.













sexta-feira, 15 de março de 2013

A Eleição Do Papa Francisco E As Possíveis Consequências Para Os Evangélicos No Brasil




Elas são prováveis por causa das semelhanças entre a igreja católica e evangélica atuais já apontadas aqui neste blog [Clique Aqui e Aqui] há algum tempo. Se você não é evangélico, poderia se surpreender ao saber que seus líderes têm lançado mão de uma prerrogativa semelhante à infalibilidade papal. Sob o discurso repetitivo de "não toqueis no ungido do senhor" e "submissão incondicional às autoridades espirituais", a palavra deles é apresentada como uma direção inquestionável e jamais passível de contrariedades. Outros pontos em comum podem ser destacados:

1) Fiéis

Se entre os católicos a perda de fiéis não é novidade, entre os evangélicos é um fato inegável. É crescente o número de "desviados" (os que não congregam em nenhuma denominação e abandonam as práticas de fé) e os "desigrejados" (os que não congregam em nenhuma denominação, porém, não abandonam sua confissão e prática de fé). Dizem até que o número de pessoas afastadas é igual ao número de confessos. Ainda há outro fenômeno, outrora exclusividade da igreja católica, os não-praticantes. Aqueles que frequentam os cultos de vez em quando sem nenhum compromisso e evidência de fé comportamental.

2) Escândalos Padres e pastores figuram manchetes de jornais envolvidos em casos de pedofilia com frequência.

3) Política

A igreja  católica sempre teve papel importante nas eleições. Hoje, é evidente que a igreja evangélica exerce tal papel tendo sua representação própria no congresso. O pastor Silas Malafaia, embora sem nenhum cargo eletivo, teve o pastor de jovens de sua igreja como o mais votado do município do Rio de Janeiro na última eleição. A influência dos líderes religiosos é cada vez mais pertinente, inclusive para os não-religiosos que usufruem de oportunas alianças em época eleitoral.

E é justamente no campo político que a união entre católicos e evangélicos vem se fortalecendo contra o "inimigo" comum. O já citado pastor Malafaia, em 2011, liderou a manifestação em Brasília contra a PL 122 (relembre o caso clicando Aqui). Na ocasião, lado a lado, pastores e padres militaram em favor das "famílias, as questões religiosas e a liberdade de expressão”

O Papa Francisco é latino-americano e sabe que uma grande parcela de seu rebanho se encontra por aqui. Demonstrou simpatia discursando de forma meio que improvisada. Ganhou adeptos de imediato com sua postura cativante. Já está sendo alvo de críticos que o acusam de envolvimento com a ditadura em seu país (Clique Aqui), mas quando o assunto é esse, a igreja evangélica brasileira também tem os seus imbróglios (leia Golpe de 64: Assembléia de Deus Dá Vazão Nas Terra E Os Neopentecostais Agradecem. Clique Aqui).

Assume o papado deixando bem claro que sua igreja não retrocederá em termos teológicos. Isso sustenta seu discurso, no passado, de que a homossexualidade é uma aberração e combater o casamento de pessoas do mesmo sexo é uma guerra de Deus (Clique Aqui). Ao mesmo tempo, no Brasil, uma batalha épica é travada entre ativistas e políticos pró e contra a questão. Por isso mesmo, evangélicos têm suspirado de alívio com o inesperado reforço de peso.

Pastor Silas Malafaia já se valendo da posição de Papa Francisco

Papa Francisco ganha a simpatia de evangélicos brasileiros

Em suas palavras “Começamos este caminho, bispo e povo juntos. Esta viagem da Igreja de Roma, que guia a todas as igrejas, uma viagem de irmandade, de amor, de confiança entre nós”, foi clara a sinalização para um futuro entendimento com os sempre chamados "irmãos separados" (evangélicos).

Dados os motivos acima, parece inevitável que igreja católica e evangélica caminharão ainda mais juntas. Falar em ecumenismo religioso, talvez, seja um pouco demais, entretanto, no que diz a moral, sim. Ele é uma realidade. Curioso é que realmente padres e pastores estão andando cada vez lado a lado, até mesmo quando polemizam contrariando seus dogmas (leia Padres e Pastores que lutam em prol dos direitos homossexuais irão participar da parada gay. Clique Aqui). 


Até aonde essa união irá durar?

Um pastor como Silas Malafaia recusaria uma audiência papal, na próxima pastoral da juventude, para fortalecer a defesa da família e da liberdade religiosa?

A aliança entre católicos e luteranos (Saiba Mais. Clique Aqui) poderá facilitar a ligação com pentecostais, neopentecostais e tradicionais?

“A ideia era de que temos nos unir contra os diferentes males que afligem o mundo. Então, se vamos atacar a pobreza, precisamos fazer isso o juntos, para defender o casamento somente entre homens e mulheres, precisamos estar juntos”, diz o líder da Aliança Evangélica Argentina (Saiba mais clicando Aqui).





sábado, 9 de março de 2013

Igrejas Carnais! Oração Carnal!




Oração Carnal # 1
*

Oração Carnal # 2


Você percebe um sentimentalismo exacerbado nas orações feitas na sua igreja? Elas sempre tem um fundo musical? Quanto tempo é investido no apelo final? Você acha que sem tanto tempo e sem a música de fundo menos pessoas atenderiam ao apelo? Onde encontrar na Bíblia Sagrada respaldo para esse costume?

Eu Não Quero Que Você Pense Igual A Mim. 
Eu Só Quero Que Você Pense.

Permaneçamos firmes!


sexta-feira, 8 de março de 2013

A Morte De Chorão Do Charles Brown: Dê Importância Ao Que Realmente Importa.





Será que a comoção causada pela morte do Chorão terá um prazo de validade pra você? Esses são dias difíceis em que estamos nos alienando emocionalmente. Primeiramente, porque todos estão sempre ocupados demais e segundo, porque é um luto que faz esquecer o outro luto que faz esquecer outro luto. Talvez você não tenha sentido a perda do vocalista porque não curtia o som, nem a tragédia de Santa Maria porque não conhecia ninguém lá, nem a tragédia de Xerém, porque é uma realidade completamente distante da sua, mas, ouça bem: todos têm seu dia de ator principal numa cena de tristeza.

Isso pode ser amenizado se você parar um pouquinho pra se aproximar de si mesmo despindo-se de seus diversos personagens. É importante se questionar e olhar a dor da perda como um lembrete apontando para a brevidade da vida. Pessoas da sociedade ocidental, religiosas ou não, têm sido escravizadas por um ritmo de vida egocêntrico e tarefeiro. Olhe para o caixão, olhe para as lágrimas das pessoas queridas e responda: a vida é só isso mesmo, nascer, crescer, arrumar um bom emprego, comprar coisas e morrer? O que falariam no seu enterro se ele acontecesse ainda por esses dias?

A roda-viva nos faz pensar que tudo será como sempre foi. Por isso você "depois liga", "depois eu vô", "depois a gente vê", pois, você tem certeza, baseado em não sei o que, que tudo será como sempre foi. Até que se depara com a notícia de que não verá mais o seu cantor preferido nos programas de entrevista. Acabou. Não vai dar mais pra ir aos shows. Passou. Essa percepção poderá valer melhores momentos daqui em diante basta você dar importância ao que realmente importa. Por que você perdeu o contato com aquele amigo de quem tanto gostava? Por que você vive adiando aquela visita? Aquele passeio? Por quê?

Não quero ser um arauto da maturidade, porém, saiba de uma coisa. Eu já fiquei alguns dias sem andar por causa de um agudo problema de coluna. Já soube da morte de uma amiga de infância por uma rádio fm. Já recebi telefonema no qual chorei o assassinato de um colega. Já ajudei tirar um familiar da "geladeira" de um hospital para embarcá-lo para a funerária. Todos esses foram episódios que me rasgaram por dentro e os quais não desejo pra ninguém. Passado o tempo, por outro lado, reconheço que me melhoraram profundamente. Hoje, eu dou importância ao que realmente importa.

Eu espero que se você sente a perda do Chorão, possa extrair alguma lição além das atitudes em vida do cantor. Se você não sente, ao menos se esforce em respeito e procure não negar essa parte da existência. Não viva suas conquistas achando que nunca sofrerá perdas. Não quebre o retrovisor da vida e nem ultrapasse os limites que não lhe dizem respeito. Procure olhar com outros olhos o sofrimento alheio sabendo que, infelizmente, o seu, mais dia menos dia, é inevitável.

Permaneçamos firmes!





quinta-feira, 7 de março de 2013

Pastor Marco Feliciano No Conselho De Direitos Humanos [Opinião]





Quando me deparei com o vuco-vuco causado pela eleição do pastor Marco Feliciano à presidência do Conselho de Direitos Humanos da Câmara Legislativa, fiquei aos arrepios! O discurso de moralidade, de representatividade da massa evangélica brasileira, etc. etc. etc; seus retuítes de mensagens de solidariedade, especialmente aquelas de pastores medalhões, tudo isso me fez pensar o seguinte: queria que o Romário fosse evangélico!

Permaneçamos firmes!



sexta-feira, 1 de março de 2013

Como Receber A Porção Dobrada! Tome Posse Dessa Benção Ou Dessa Emoção?








Por Gutierres Fernandes Siqueira



Você certamente já ouviu algum pregador pentecostal orando para que a plateia ou uma pessoa específica recebesse a “porção dobrada do Espírito Santo”. A base é 2 Reis 2, mas a interpretação é equivocada. Nesse texto, temos a história do profeta Elias designando a continuidade de seu ministério para Eliseu antes de ser transladado. Nos versículos 9 a 11 lemos:


Sucedeu, pois, que, havendo eles passado, Elias disse a Eliseu: Pede-me o que queres que te faça, antes que seja tomado de ti. E disse Eliseu: Peço-te que haja porção dobrada de teu espírito sobre mim. E disse: Coisa dura pediste; se me vires quando for tomado de ti, assim se te fará; porém, se não, não se fará. E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho.

Bom, vejamos o que a expressão “porção dobrada” significa.


1. Quando Eliseu pede a “porção dobrada”, na verdade, ele está requerendo o direito de progenitura sobre os demais profetas da escola de Elias.

Elias foi líder de uma “escola de profetas”, e Eliseu era um dos seus alunos. O ambiente da escola lembrava uma fraternidade onde os membros eram chamados de “filhos dos profetas” (v. 3,5). Ora, com a trasladação de Elias quem seria o seu substituto? Ou seja, quem havia de ser o novo líder? Então, Eliseu baseado na lei mosaica (cf. Dt 21.17) pede a Elias a “porção dobrada”, ou seja, os direitos de um filho primogênito. O primeiro filho recebia o dobro das riquezas do pai em relação aos seus irmãos, e isso implicava mais responsabilidade para a manutenção da família. Donald J. Wiseman lembra que esse filho primogênito “tinha a responsabilidade de perpetuar o nome e o trabalho do pai” [1].

Nesse sentido, a tradução da Nova Versão Internacional (NVI) traz mais luz para a interpretação: “Depois de atravessar, Elias disse a Eliseu: ‘O que posso fazer por você antes que eu seja levado para longe de você?’ Respondeu Eliseu: ‘Faze de mim o principal herdeiro de teu espírito profético’". [grifo meu].
2. A “porção dobrada”, portanto, em um primeiro momento, não significava “mais poder” para milagres. Significa, isso sim, mais responsabilidade como o novo líder a representar o legado do antigo líder. Assim, por que os pregadores atuais falam em “porção dobrada” como “poder em dobro” para milagres, mas esquecem da responsabilidade de um legado na substituição de uma liderança?

Repito: a expressão não significa, a princípio, um poder dobrado para milagres ou um ministério ainda mais poderoso em sinais e maravilhas do que o de Elias. É tão verdade que Eliseu continua o trabalho de Elias, mas não se tornou um profeta mais importante do que o seu “pai espiritual”. Ele é usado por Deus em continuidade, mas não se sobrepõe ao seu pai na fé. Quem é o profeta mais lembrado depois de Moisés na história e literatura hebraica? Elias é a resposta. Eliseu certamente pensava que a continuidade do ministério de Elias implicaria grandes sinais, mas a expressão em si não indica essa questão, mas sim o direito de substituí-lo como líder.

3. Elias não concede o pedido a Eliseu porque tal atribuição era divina, e não humana. Como os pregadores atuais podem oferecer o que não é prerrogativa deles?

Eliseu recebe a “porção dobrada” da parte de Deus, mas não de Elias. O profeta Elias mostra a Eliseu que a resposta ao pedido não dependia dele, mas sim do Senhor. “Coisa dura pediste”, diz Elias, indicando que Eliseu seria o seu substituto mediante a observação de seu arrebatamento. O teólogo pentecostal Wilf Hildebrandt escreve sobre essa passagem:
A dificuldade de honrar o pedido é demonstrada por Elias, que faz com que o direito de sucessão dependa do avistar de sua partida por parte de Eliseu. Elias indica que não é uma prerrogativa sua o responder ao pedido e sim uma prerrogativa de Deus. Assim, o pedido por “uma porção dupla” não é concedido por ele, mas depende da permissão de Iahweh para que Eliseu testemunhe sua partida e ‘abra os seus olhos’ para a seleção de Deus. Somente Deus poderia escolher um sucessor para Elias e transferir se o Espírito para o profeta escolhido.  [2]


É interessante observar que um pregador que acredita atribuir o Espírito Santo em dobro para outras pessoas não traz essa ideia da cosmovisão bíblica, mas sim de uma cosmovisão animista, portanto, pagã. É necessário rejeitar qualquer tentativa de interpretar o texto bíblico segundo padrões mágicos que arranham a correta interpretação do mesmo. Ninguém pode “jogar” o Espírito Santo em dobro no outro. O Espírito Santo enche o verdadeiro crente segundo a graça divina para o serviço do Senhor. “Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil” [1 Co 12.7].


Referências Bibliográficas:

[1] WISEMAN, Donald J. 1 e 2 Reis. Introdução e Comentário. 1 ed. São Paulo: Edições Vida Nova, 2006. p 172.

[2] HILDEBRANDT, Wilf. Teologia do Espírito de Deus no Antigo Testamento. 1 ed. São Paulo: Editora Academia Cristã e Edições Loyola, 2008. p 195.



Receba Nossas Atualizações Por Email!