quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Como Falar De Deus Para Uma Pessoa

Comunicação não é o que você diz. É o que os outros entendem (Duda Mendonça).

A comunicação é algo vital nas relações humanas e pouco se fala ou se instrui a respeito. Lembro de várias mensagens da Joyce Meyer acerca do tema e das aulas da faculdade. Apesar do esforço para acertar, os erros são mesmo inevitáveis e, apesar disso, creio que seja fundamental, quando se quer melhorar, regá-la como a moderação do Espírito Santo de Deus. Isso porque é de assustar como as pessoas são capazes de pegar suas palavras pelas mãos e levá-las a um lugar totalmente diferente do desejado. Seja por causa da maneira como se fala, seja por causa dos filtros emocionais, a questão é que comunicar-se é uma arte que requer treinamento.

Isso passa pela condição de se fazer didático. Essa perspicácia passa pela habilidade de se pôr na condição do outro imaginando como ele poderá receber sua verbalização. Aqui, peca-se aos montes, tanto ao se levar a mensagem do evangelho para os de fora quanto para os de dentro de uma congregação. Ora, senão vejamos. Dia desses estava ouvindo um irmão pregando quando ele disse: você tem traumas? Você tem feridas emocionais? Problema é seu! O que Deus tinha que fazer por você Ele já fez. Agora, é você que deve reagir diante dos seus problemas. Eu pensei o seguinte: é porque não é com a tua mãe, seu vacilão!!!

Sim, talvez, ele tenha querido dar uma sacudida na sua platéia. Talvez, uma palavra para tirar o ouvinte do seu comodismo e tudo mais. Por outro lado, minha reação deu-se por causa das palavras em si e por causa da maneira como elas foram colocadas. É muito fácil dizer o que foi dito quando se é emocionalmente estável. Um preletor deve sim preocupar-se em não ser grosseiro. Porque do contrário, nada mais do que ele falar será escutado por quem se sentir atingido negativamente. Se a mãe dele tivesse feridas emocionais como a minha mãe tem será que ele falaria daquela forma?

Não precisamos de bravatas e discursos à moda de grêmios estudantis cheios de emocionalismo e nenhuma razão. Moderação abre portas, aumenta a audiência e permite repetir a dose. Não cabe imitar o estilo João Batista de ser se não moramos no deserto, não nos vestimos de pele de carneiro e não comemos gafanhotos e mel silvestre. Mais vale ser didático não comunicando para si mesmo em troca de aplausos ou de medo. Vale sim, aproveitar o exemplo de Che Guevara que disse É preciso ser duro, mas sem perder a ternura, jamais...

Se o evangelho deve ser pregado a toda criatura e você quer saber como falar de Deus pra uma pessoa, vale lembrar que ninguém ouve um ogro! Pode até escutar, mas não ouvir, dar crédito. Falar com autoridade nada tem a ver com falar autoritariamente.

E você? Como você tem se comunicado?

Pense nisso!

Compartilhe
Bookmark and Share







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba Nossas Atualizações Por Email!