sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Evangelismo E Proselitismo São A Mesma Coisa?



Um olhar de quem está de fora do meio evangélico enxerga nele uma veia proselitista latente. Talvez, porque  o protestantismo tem sua herança religiosa, especialmente no Brasil, advinda de um enorme movimento de catequese. Movimento esse tremendamente violador dos parâmetros culturais diferentes ou estranhos ao seu próprio paradigma. Daí em diante, Bíblia em punho e um grito rumo aos perdidos para ganhá-los deixando sempre claro o seguinte, não vos assentei na roda dos escarnecedores (Salmo 1.1).

Lamentavelmente, a pobre interpretação dessa passagem nos fez pessoas interesseiras de certo modo. Escandalizei uns irmãos quando afirmei que não são poucas às vezes que um crente se aproxima de alguém apenas para conseguir mais um adepto à sua religião. Há uma dificuldade de se relacionar com o outro e o diferente pelo que ele é. Não apenas para falar de Jesus, testemunhar do Seu amor, mas também, pura e simplesmente por gostar da compainha do outro. Sendo ele de que religião for, é possível estabelecer um elo, sendo perceptível quando isso se dá causado apenas pelo proselitismo.

Minha conversão ocorreu no início da faculdade de Administração de Empresas. Como poderia me isolar dos colegas e me transformar num ermitão? Não mesmo, até porque, fui claro quanto a minha nova forma de vida e, graças a Deus, houve respeito mútuo quanto a isso. Diversas vezes me assentei com eles numa praça de alimentação e posso lhe garantir que os ímpios não falam apenas de sexo, dinheiro e balada. Pelo menos não os que estudaram comigo. Nenhum deles se converteu durante o curso, entretanto, mais do que falar, pude demonstrar que ser cristão é, dentre outras coisas, ser uma pessoa normal.

Isso é conseguido apenas com relacionamento. Se você é novo convertido e suas amizades não entendem sua decisão por Cristo atrapalhando sua caminhada é melhor mesmo haver um distanciamento. Quando maduro o suficiente, você poderá perceber com quem pode ou não pode conservar afinidade e, principalmente, com quem é conveniente relacionar-se, seja na sua família, no trabalho ou em qualquer lugar.   Fundamental é você saber que não pega bem ser um crente interesseiro ainda que sua intenção seja a edificação do Reino de Deus. Cada um tem um tempo, assim como você teve o seu. Não serão todas as pessoas do planeta que se converterão pela sua pregação, pelo seu folheto, pelo seu convite para visitar uma igreja. Particularmente falando nunca fui convidado a visitar um centro espírita, uma paróquia ou coisa do tipo, especialmente, num reencontro com algum conhecido mais antigo. Já reparou que por vezes essa é a nossa primeira atitude? E aê fulano, como você está? Pow, aparece lá na igreja...

As pessoas notam o desinteresse por elas.

Pense nisso.

Compartilhe
Bookmark and Share



2 comentários:

  1. Evangelismo não é uma coisa que se faz. É uma coisa que se é. Somos evangelho encarnado, pregações ambulantes, porém, do ponto de vista da frase Agostinho: "Pregue o tempo todo, quando for preciso, use as palavras".

    Parece que estamos em flancos diferentes, mas usando as mesmas armas.

    ResponderExcluir

Receba Nossas Atualizações Por Email!