segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Se jogar na loteria é pecado por que participar de sorteio não é?


Jogos de azar por definição são todos em que um jogador não depende apenas de suas habilidades para obter sucesso. O imponderável - sorte ou azar - tem papel determinante no resultado final. Exatamente como no momento da crucificação em que os soldados "lançaram sorte" para ver quem ficaria com a túnica de Jesus (Mc 15.24). Uma questão de probabilidade registrada num momento tão cruel que chega a ser ofensivo e, como já ouvi, por isso é rechaçada. Se é assim, por que o sorteio não o é?
As possíveis respostas são bastante curiosas. Já ouvi dizer que crente pode participar de apostas desde que não esteja valendo quantia em dinheiro. Ou que qualquer sorteio é lícito, desde que, tenha sido oriundo da troca de seu dinheiro por um bem. Exemplo: você vai ao supermercado e a compra num determinado valor lhe dá um cupom para concorrer a um carro. E ainda, que crente não pode participar de apostas e sorteios, mas se ganhar que não esqueça de dar o dízimo (porque senão estaria errando duas vezes).

A questão é que um sorteio é um excelente medidor de audiência e, portanto, uma ferramenta da qual as rádios gospel não abrem mão. Mesmo em eventos denominacionais, o sorteio de cds, dvds, camisas, etc. é muito comum. Logo, o crente não participa de bingo porque é jogo de azar, mas faz rifa para ajudar na obra da cantina (?). E assim caminha a igreja evangélica no Brasil... Nos recusamos a desejar a alguém boa sorte. Repreendemos quando alguém nos deseja boa sorte. Mas, vamos para o culto e cantamos "Eis-me aqui, Senhor/ Muda minha sorte".

Permaneçamos firmes!

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Lembrou de alguém ao ler o artigo? Compartilhe com ele. Clique no botão abaixo:

Bookmark and Share

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Perguntar não ofende: quais são os critérios para se estipular o salário de um pastor e seus reajustes?

RJ - trem urbano utilizado por milhares de crentes todos os dias, cuja remuneração segue as variações do salário-mínimo. 
 
Na madrugada da 5ª feira, dia 17/02/2011, foi aprovado na Câmara dos Deputados o aumento do salário mínimo para R$545,00. Pode não parecer, mas, este valor é justificável através de uma série de cálculos que consideram variáveis como o IGP (Índice Geral de Preços), INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), entre outros. Se justo ou não, aí já é outra discussão. Por outro lado, partindo da premissa da coerência econômica e contábil, quais são os critérios para se estipular o salário de um pastor e seus reajustes?

A defesa de alguns se pauta em "o trabalhador é digno de seu salário". Vê-se em Lc 10.7, uma provisão não mais do que o suficiente e em 1Tm 5.17, Paulo enfatiza que os trabalhadores deveriam ser os que "se afadigam na palavra e no ensino". Daí, fato é que atualmente o cargo pastoral não significa árduo labor - em boa parte das denominações. Isto serviria como um bom critério para que o seu salário fosse tão diminuto quanto o rol de atividades exercidas. Anigamente, o ministro de congregação era um cerimonialista responsável por realizar não somente os casamentos, mas, velórios, visitas aos enfermos, batismos, fora o ensino, a pregação e o aconselhamento. 

É mentira que está ocorrendo uma terceirização disfarçada de delegação de funções? Pessoas que nem fazem parte do presbitério estão responsáveis por discipular, aconselhar, visitar, cuidar, evangelizar... e seguindo a lógica do trabalhador-salário, então, todos deveriam ganhar uma "farpela". Ora, há pastores que são vistos no púlpito pregando (aquela palavrinha chá-com-pão-dormido) e contando sobre suas viagens ao exterior nas quais pregaram e receberam uma "oferta de amor". Adotando o critério dedicação para os reajustes não seria razoável que o maior salário da igreja fosse pago aos missionários transculturais da janela 10-40? Por que o salário mínimo só serve de parâmetro para estes?

Vamos ceder por um momento... e encarar como necessidade o pastor principal ser remunerado. A questão não é pouco delicada e piora quando o mesmo ainda é o fundador da denominação. No mínimo, um conflito de interesses! É lícito querer um carro importado, querer uma casa própria confortável e bons colégios para os filhos; só não é nada conveniente para a contabilidade da igreja. Imagine que suas ofertas servirão para quitar o IPVA 2011 que poderia custar metade do valor se ele andasse num carro nacional e semi-novo. Fora a economia feita se as crianças estudassem em escola pública e se o plano de saúde não fosse aquele de resgate por helicóptero.

Quanto a isto, a regra é clara: quem não quiser trabalhar, também não coma (2Ts 3.10). Se alguém quer tanto o melhor, sue por ele. Sinta quanto custa. Conquiste, ao invés de se julgar merecedor de ofício. Paulo, nesta epístola, deixa claro que teria direito a uma recompensa monetária, porém, abre mão em prol das ovelhas. Aliás, cada uma delas, nos dias de hoje, tem seus empregos, trabalha na igreja e não cobra nada por isso. Se resolver ser imitador de alguns líderes por aí, logo, logo, contrairá dívidas pela ostentação de roupas de grife, laptop etc. É por isso que um pastor-presidente precisa ganhar de R$10.000,00 a R$20.000,00?

Ok. Cada um, cada um... Só um lembrete: a partir de 1º de Março se inicia o prazo para entrega de declaração do imposto de renda.

Permaneçamos firmes!

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Lembrou de alguém ao ler o artigo? Compartilhe com ele. Clique no botão abaixo:

Bookmark and Share

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Anderson Silva e Vítor Belfort: cristianismo autêntico


Semana passada, o UFC 126 tomou proporções incríveis, principalmente nas redes sociais, porque se tratava de um duelo entre dois brasileiros que um dia treinaram juntos: Anderson Silva (o "Aranha") e Vítor Belfort (The Phenom), sendo este o desafiante da noite ao cinturão dos pesos médios. Na madrugada de sábado para domingo, milhões de pessoas em todo o mundo acompanharam aquela que foi chamada de "a luta do século". E tomar partido entre um e outro estava difícil até a entrevista coletiva e a pesagem, quando o Anderson mostrou uma petulância que lhe fez merecedor de todas as vaias recebidas na entrada do octógono.

Pronto, agora ficara fácil torcer. Vitor Belfort, após a sua conversão, tem sustentado um bom testemunho e, após o trauma familiar vivido anos atrás, seria perfeitamente justo ele ser coroado com a tão pregada "dupla honra" ou "a glória da segunda casa" ou "ser posto como cabeça". Enfim, torcida e oração se misturaram com naturalidade; ele estava se preparando à exaustão. por certo, Deus o honraria! Até porque a conquista do cinturão seria para a glória de Deus e uma oportunidade única de falar do seu amor para todo o planeta! Enfim, tudo caminhava para um final feliz, até que... um chute frontal de Anderson Silva fez Belfort quase perder os sentidos e consequentemente a luta.

Talvez você se pergunte o que isto tem a ver com nossas vidas e com a fé que dizemos professar. Tem que uma certa pregação perigosa faz um novo convertido compreender que "estar na igreja é se dar bem". Mesmo quem isso não prega, acaba confirmando essa idéia quando chega a nível de incentivo e diz: ó, Deus tá nesse negócio, hein varão! Ó, grande será a tua vitória! Ó, vejo Deus abrindo uma porta! Ora, ora, se Deus não mandou dizer, não diga nada ou seja sincero, pois, torcer por alguém não é pecado nem coisa de nova era. Bem melhor que criar a falsa expectativa de que uma intervenção divina poderá mudar as coisas ou que se ELE tiver que intervir será a seu favor, é claro, pois você é crente...

Não sei qual é a opção religiosa do Anderson Silva, mas, não pode ser por um acaso que alguém ganha 12 lutas consecutivas sendo 8 delas defesa de cinturão. O cara assiste metodicamente todas as lutas de seus desafiantes e possíveis adversários diariamente. Isso nos deixa claro que Deus não fará por você o que você tem que fazer só pelo fato de você ser crente. Nem pense em melhorar suas finanças contando com uma "mudança de sorte" sem fazer por onde. Todos já somos abençoados em Cristo Jesus, logo, façamos a nossa parte sem ficar numa espécie de espiritualidade mística.

Acredito que o futuro reserva grandes vitórias a Belfort e isso não pelo fato de ser um homem de Deus, mas, porque é persistente e sabe o que é superação (nem me venha com aquele papinho de que ele não venceu porque Deus sabia que ele não estava preparado para a benção e tal... como se o esforço do Anderson de nada servisse, vejam só!). A questão é que mesmo espiritualmente sendo mais do que vencedor ele terá que conviver para sempre com esta derrota. E não foi qualquer derrota. Foi uma derrota acachapante. Daquelas que serão lembradas para sempre.

Assim é o cristianismo autêntico.

Permaneçamos firmes! 

* Leia também O Que Podemos Aprender Com A Rivalidade Entre Anderson Silva e Chael Sonnen

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Lembrou de alguém ao ler o artigo? Compartilhe com ele. Clique no botão abaixo:

Bookmark and Share